Urina em excesso: o que pode significar?

imagem de Dr. Alexandre Ferreira

Dr. Alexandre Ferreira

Médico | Endocrinologista CRM 108 116 São Paulo, SP Nível 4
12 fãs 8.253 pontos 988925 visitas recebidas

Um dos possíveis sinais de doença é a presença de urina em excesso ou uma vontade constante de urinar. Você urina muito e com muita frequência? Saiba o que pode ser.

Antes de entrar em detalhes, é importante diferenciar alguns conceitos. Guarde esses nomes:

  • Poliúria: É o nome dado ao excesso de produção de urina. Normalmente quando o volume é maior que 2,5 a 3 litros por dia. A poliúria pode ser apropriada, quando o paciente ingere muito líquido e precisa eliminá-lo, ou inapropriada, quando não há grande ingestão de líquidos e esse excesso de urina leva a desidratação. O primeiro é uma resposta fisiológica enquanto que o segundo é um sinal de doença.
  • Polaciúria (polaquiúria): É o aumento da frequência do ato de urinar, mas com o volume total ao longo do dia dentro da faixa da normalidade. Trata-se daquela pessoa que vai ao banheiro várias vezes mas urina sempre pequenas quantidades.
  • Nictúria: É o excesso de urina que ocorre durante a noite e faz com que o doente acorde várias vezes para urinar.

O rim é o órgão responsável pelo controle da água corporal. O corpo está sempre em equilíbrio. Se bebermos líquido demais, o excesso sai na urina. Se estamos em um dia quente e perdemos muita água pelo suor, o rim diminui a produção de urina e mantém o corpo hidratado.

Quando começamos a urinar demais sem que estejamos consumindo muitos líquidos, é sinal que há algo de errado.

Poliúria

A principal causa de poliúria é o Diabetes Mellitus. No diabetes ocorre um aumento do nível de glicose (açúcar) no sangue. Como tudo que está no sangue é filtrado pelos rins, esse excesso de glicose é eliminado na urina. Toda vez que a taxa de glicose sanguínea ultrapassa 200 mg/dl, ocorre o que chamamos de glicosúria, ou seja, urinamos glicose.

Como nós não podemos urinar açúcar, essa glicose toda tem que ser diluída para ser eliminada. Quanto maior a concentração de glicose que chega aos rins, mais água é necessário para sua diluição. O resultado final é que, para podermos eliminar esse excesso de glicose, acabamos por ter que eliminar muita água junto. Por isso, o diabético urina muito. E como ele urina muito inapropriadamente, desidrata e sente muita sede. Portanto, excesso de urina com excesso de sede é um sinal típico de diabetes mellitus.

Existem algumas doenças dos túbulos renais que podem causar perda de algumas substâncias sem que essa estejam em excesso no sangue, inclusive glicose. O mecanismo é o mesmo do descrito acima: uma substância em excesso precisa ser diluída para ser excretada na urina. São doenças mais raras. Glicosúria sem hiperglicemia (glicose sanguínea alta) também é sinal de doença.

Outra doença, também dos túbulos renais, é um segundo tipo de diabetes, que nada tem a ver com excesso de glicose. É o Diabetes Insipidus.

O nome diabetes tem origem grega e significa em uma tradução grosseira, perda de água. O termo mellitus tem a ver com mel, adocicado, enquanto que insipidus, significa falta de gosto. Portanto, Diabetes Mellitus e Diabetes Insipidus. O primeiro é muito mais comum.

O Diabetes Insipidus é causado por um problema no hormônio antidiurético (ADH), a substância que controla a quantidade de água que o rim vai eliminar ou reabsorver. Quando em excesso, urinamos pouco, quando em falta, urinamos muito. O Diabetes Insipidus ocorre quando produzimos pouco ADH ou quando o rim perde a capacidade de responder ao mesmo.

Só como curiosidade, o álcool inibe a produção do ADH, por isso urinamos muito após ingestão de bebidas alcoólicas. Intoxicação alcoólica é uma causa transitória de diabetes insipidus.

Outra etiologia de excesso de urina é o uso de diuréticos. Em geral, a causa é óbvia, porém, algumas fórmulas para emagrecer e remédios ditos naturais, apresentam substâncias diuréticas escondidas em suas fórmulas.

A cafeína é uma substância com efeito diurético que se consumida em excesso pode levar ao aumento do volume urinário diário.

A insuficiência renal em fase não dialítica pode levar a um aumento da produção de urina pela perda da capacidade do rim em concentrar a mesma. É uma perda inapropriada de água por falhas nos túbulos renais. Às vezes é o primeiro sinal perceptível de doença nos rins.

Polaciúria (polaquiúria)

A polaciúria é um sintoma clássico da cistite. A bexiga quando inflamada não consegue reter grandes quantidades de líquido, por isso, pequenos volumes de urina já causam vontade de ir ao banheiro. Muitas vezes existe vontade de urinar e não há quase nenhuma urina para eliminar.

Outro caso de polaciúria são as doenças da próstata. A próstata aumentada atrapalha a saída da urina, dificultando o esvaziamento completo da bexiga. Como a bexiga está sempre com algum volume residual, ela se enche mais rapidamente e a vontade de urinar ocorre com mais frequência.

Gravidez também é uma causa de polaciúria e de poliúria.

Nictúria

As causas de nictúria são as mesma da polaciúria e da poliúria. Acordar a noite para urinar é extremamente comum em pessoas com problemas de próstata.

Beber refrigerantes (cafeína) ou muitos líquidos antes de dormir também pode causar nictúria.

Doentes com insuficiência cardíaca, cirrose ou qualquer outra doença que cause edema (inchaço) nas pernas, pode apresentar nictúria. Ao deitar, a tendência é que o edema seja reabsorvido para o sangue e esse excesso de água é então eliminado pelos rins.

Fonte: MDSaúde

Leia matérias relacionadas:

Sem votos

Comentários