Novo medicamento acelera cura de feridas em diabéticos e feridas crônicas

imagem de Dr. Alexandre Ferreira

Dr. Alexandre Ferreira

Médico | Endocrinologista CRM 108 116 São Paulo, SP Nível 4
12 fãs 8.253 pontos 1091269 visitas recebidas

Droga é baseada em regulador-chave que inicia e acelera a cicatrização de feridas pelo desencadeamento da reação inflamatória

Um novo medicamento é capaz de acelerar a cicatrização de feridas em diabéticos, bem como de feridas crônicas. A droga está sendo desenvolvida por cientistas da Universidade de Umea, na Suécia, e, após vários anos de pesquisa experimental bem sucedida, está pronta para testes clínicos.

Os pesquisadores descobriram que a proteína plasminogênio é um regulador-chave que inicia e acelera a cicatrização de feridas pelo desencadeamento da reação inflamatória. A descoberta foi publicada na revista Blood.

Plasminogénio é uma proteína produzida no fígado e encontrada em todos os fluidos corporais. Os investigadores reavaliaram o papel desta proteína e conseguiram mostrar que concentração de plasminogénio aumenta dramaticamente dentro e em torno das feridas, o que é um importante sinal para iniciar a reação inflamatória necessária para a cura. Em feridas de diabéticos o nível de plasminogénio não aumenta da mesma forma, e isto parece ser a razão pela qual estas feridas não curam. Em teste com ratos diabéticos os pesquisadores foram capazes de mostrar que o processo de cura começa imediatamente após o plasminogénio ser injetado em torno da ferida que, em seguida, foi curada completamente.

No projeto também foi desenvolvida uma linha de células para a produção de plasminogénio em grande escala. O objetivo da equipe de pesquisa é iniciar testes clínicos em breve. Os pesquisadores esperam que pelo fato de o plasminogênio ser uma proteína endógena ela não apresente efeitos colaterais.

O estudo se concentrou inicialmente em feridas de diabéticos, mas o plasminogênio tem potencial para atuar sobre outros tipos de ferimentos. Isto inclui perfurações da membrana timpânica e periodontite. Além disso, como o plasminogénio é um ativador pró-inflamatório ele tem potencial para atuar contra bactérias resistentes a antibióticos (MRSA).

Fonte: Isaude.net (28/05/12)

Sem votos

Comentários

Dr. José Roberto Tavares Lima - biomédico acupunturista

O plasminogênio será usado no futuro como um dos grandes trunfos dos médicos que tratam pacientes diabéticos com feridas que nunca cicatrizam. Hoje, temos plantas que aceleram os processos de cicatrização e são bastante satisfatórias, mas temos que lembrar que as plantas possuem baixa especificidade, enquanto o plasminogênio tem altíssima especificidade e, portanto, seu poder de cicatrização é muito maior. Será uma grande arma no combate à todo tipo de ferimento em pacientes com dificuldade de cicatrização.