Instituto do Hálito - Bolinhas na Garganta - Cáseos Amigdalianos - Caseum - Halitose

Os cáseos amigdalianos apresentam-se como pequenas massas esbranquiçadas ou amareladas de odor forte. O seu nome deriva do latim caseum, que significa queijo. Formam-se em buracos das amígdalas. São associados a uma sensação de desconforto, irritação de garganta e são expelidos durante a tosse, espirros ou fala. Podem ocorrer em qualquer momento da vida e de forma esporádica.
 
A composição consiste em células descamadas da boca, proteínas da saliva e restos alimentares que servirão de alimento para microorganismos. Quando essas bactérias digerem as proteínas, são liberadas substâncias que têm mau cheiro.
 
Pesquisas concluiram que os microorganismos presentes nos cáseos são diferentes dos relacionados com a placa bacteriana dentária. Também se concluiu que o substrato nutritivo necessário para a atividade das bactérias dos cáseos não serão os restos de alimentos dispersos pela boca, mas sim matéria em decomposição retida na área posterior da língua.
 
A explicação proposta é simples. Essa região recebe fluxo diminuído de saliva e contém grande número de criptas – invaginações, nas quais bactérias podem se esconder. Nesse local privilegiado, digerem proteínas celulares originadas da descamação da boca, como também as contidas no muco que gotejam imperceptível dos seios da face na direção da faringe – corrimento nasal.
 
Esse gotejamento persistente é encontrado em grande parte da população, resultado de alergias, poluentes químicos e processos inflamatórios das mucosas nasais e seios da face (sinusite crônicas).
 
O controle da formação dos cáseos é importante na prevenção de diversas doenças. As bactérias presentes neste processo estão associadas a outros problemas de saúde, como pneumonia, tuberculose, endocardites, dentre outras.
 
Existem diversas opções no tratamento dos cáseos. Antigamente removiam-se de forma radical as tonsilas, tema de muita polêmica na comunidade científica dada a função das tonsilas como órgão de defesa importante. O pós-operatório é doloroso, podendo ser necessário mais de um procedimento cirúrgico. Além disso, mesmo após a remoção, na maioria das vezes, o problema do hálito persiste dado a origem multifatorial da halitose.
 
Este tema levou pesquisadores do hálito a desenvolverem protocolos não cirúrgicos com tratamentos conservadores e muito eficientes. Estudos com pacientes portadores cáseos concluíram que mediante exames precisos de diagnóstico, tratar as causas da formação é a melhor solução. É neste contexto que o especialista em halitose é cada vez mais procurado, evitando os incovenientes e riscos associados a qualquer cirurgia. O profissional investiga quais as causas e elabora o tratamento específico.
 
De forma genérica, para evitar o aparecimento de cáseos, são sugeridos alguns métodos preventivos que podem ser facilmente seguidos, nomeadamente beber dois litros de água diários, manter uma dieta saudável (frutas, legumes, vegetais folhosos) e boa higiene oral.
 
Dr. Elson Simões Reis Doutorado em Biologia Oral (USC-Bauru)
 
Acesso o Instituto do Hálito - www.institutodohalito.com.br
 
Veja também:
 
Unidade Ipanema - Rio de Janeiro - RJ - Tel: (21) 3717-1797
Unidade Salvador - Bahia - 0800 725 0087
Unidade Vila Velha - Shopping Praia da Costa - ES - (27) 3229-0607  / (27) 3329-4176
Unidade Vitória Apart Hospital - (27) 3338-6164 / (27) 8846-9327
Unidade Manaus - Amazonas - 0800 725 0087
Unidade Belém - Pará - 0800 725 0087
Unidade São Luis - Maranhão - 0800 725 0087
Average: 4.4 (26 votes)

Comentários

Rayssa C.

O meu amigo um dia estava falando comigo e comentou que quando tossia saia essas bolinhas brancas da boca dele no qual pelo que li são chamadas de cáseos amigdalianos .