Qual a função do apêndice

 

Apendicite é o nome que se dá a inflamação do apêndice, aquele órgão, que segundo nos ensinam no colégio, não serve para nada.

Mas o que é exatamente o apêndice? Será verdade que ele não serve para nada?

O apêndice é um prolongamento do ceco, a região que liga o intestino delgado ao intestino grosso (cólon). Possui mais ou menos 10 cm de comprimento e tem um fundo cego. Seu formato lembra o de um verme, por isso também é chamado de apêndice vermiforme. Uma outra analogia fácil é com um balão de festa (bexiga) vazio ou um dedo de luva.

A parede do apêndice contém tecido linfático e participa na produção de anticorpos.

Então se o apêndice faz parte do sistema imune ele é muito importante para o nosso corpo, não é?

Na verdade, não. O apêndice parece ser apenas um resquício evolutivo, que se não é de todo inútil, também não parece fazer falta nenhuma quando retirado cirurgicamente.

E por que o apêndice inflama causando a apendicite?

O apêndice normalmente produz um volume constante de muco que é drenado para o ceco e se mistura nas fezes. O seu grande problema é ser a única região de todo o trato gastrointestinal que tem um fundo cego. Qualquer obstrução a sua saída para o ceco faz com que esse muco se acumule, e conforme a dilatação do apêndice vai ficando maior, começa a haver obstrução dos vasos sanguíneo e necrose da sua parede. O processo pode evoluir até o rompimento do mesmo.

O intestino é rico em bactérias e quando o apêndice fica obstruído e inflamado, elas conseguem invadir a sua parede a alcançar a circulação e o peritônio (membrana que recobre todo o trato intestinal)

Existem várias causas para essa obstrução. Em jovens é comum ocorrer um aumento dos tecidos linfáticos em resposta a alguma infecção viral ou bacteriana. Como o diâmetro interior do apêndice tem menos de 1 cm, qualquer aumento na sua parede pode obstruir a saída. Em idosos, o mais comum é a obstrução por pedaços ressecados de fezes. Também existe a possibilidade de obstrução por neoplasia ou por vermes intestinais.

E quais são os sintomas da apendicite?

O ceco e o apêndice ficam no quadrante inferior direito do abdômen, e por isso, uma apendicite se apresenta tipicamente como uma dor nesta região. O problema é que em fases iniciais, quando há somente a distensão do apêndice, ainda sem intensa inflamação ao seu redor, os sintomas podem ser muito vagos e não necessariamente localizados neste sítio.

No começo a dor pode ser difusa, normalmente localizada na região do estômago ou em volta do umbigo. O apêndice é muito pouco inervado, por isso sua inflamação isolada é mal percebida pelo cérebro. Somente quando o peritônio, este sim, rico em terminações nervosas, fica inflamado é que o cérebro consegue identificar mais precisamente a região afetada. O quadro típico é de uma súbita dor moderada ao redor do umbigo que, conforme vai ficando mais intensa, dirige-se para o quadrante inferior direito.

Náuseas, vômitos e febre são sintomas comuns nas fases avançadas da apendicite. Pode haver diarréia ou prisão de ventre.

Quando há perfuração, ocorre uma peritonite (inflamação do peritônio) grave. O paciente apresenta intensa dor e o abdômen costuma ficar duro que nem uma pedra. O doente sente dor com estímulos simples como pisar no chão ou mudar de posição. Este quadro grave costuma cursar com sepse (A sepse ou sepsis é uma síndrome que acomete os pacientes com infecções severas)

A apendicite pode ocorrer em qualquer idade mas é mais comum em adolescentes e adultos jovens.

O diagnóstico é feito pelo quadro clínico e pode ser confirmado com exames de imagem como o ultra-som (ecografia) e/ou tomografia computadorizada.

O tratamento é cirúrgico e hoje em dia é feito preferencialmente pela via laparoscópica.

Apendicite crônica

Alguns pacientes apresentam quadro de obstrução intermitente do apêndice, com desobstrução quando a pressão dentro da luz fica elevada. Trata-se de um apêndice que inflama e desinflama repetidamente. É um quadro de dor abdominal repetida, que pode ser difícil diagnosticar.

 
Sem votos