Pílula do dia seguinte

Tire todas as suas dúvidas sobre pílula do dia seguinte! Quando tomar, o que fazer, consequências e efeitos colaterais.

Pílula do dia seguintePílula do dia seguinte é um método de contracepção utilizado para prevenir a gravidez em mulheres que fizeram sexo sem proteção.

Pode ser utilizada em diferentes ocasiões, incluindo estupro e falhas no método contraceptivo utilizado.

As pílulas são como anticoncepcionais orais, porém com níveis maiores de hormônios.

Geralmente, as pílulas contêm o hormônio levonorgestrel. A pílula esta disponível para pacientes maiores de 18 anos e menores com prescrição médica.

A pílula possui mais eficácia quando tomada o mais rápido possível.

Na bula é dito que a pílula faz efeito apenas até 72 horas após a relação, mas o ideal é que seja tomada até 24h.

A pílula age prevenindo ou impedindo a liberação do óvulo.

Mulheres que acreditam estar grávidas há alguns dias não devem tomar a pílula. Mulheres que possuem sangramentos vaginais por razões desconhecidas devem consultar o médico especialista antes de tomar a pílula do dia seguinte.

Caso a contracepção de emergência falhe e a mulher engravide, não existem chance de efeito colaterais de longo prazo no bebê, nem na gestante.

Por ser menos eficaz do que outros métodos contraceptivos, a pílula não deve ser usada como um método rotineiro.

A pílula do dia seguinte pode prevenir a gravidez em até 89%.

Efeitos causados pela pílula do dia seguinte:

  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Dores abdominais;
  • Dores de cabeça;
  • Mudanças no ciclo menstrual.

As náuseas e os vômitos são os mais comuns quando pílulas com estrógeno são utilizadas.

Alguns médicos recomendam tomar um remédio para prevenir as náuseas e os vômitos antes de tomar a pílula do dia seguinte.

Depois de tomar a pílula do dia seguinte, o ciclo menstrual da mulher poderá iniciar mais cedo ou mais tarde do que o esperado. A menstruação poderá vir mais clara ou escura do que o comum.

Algumas mulheres iniciarão seu próximo período menstrual sete dias após a data esperada.

Caso a menstruação da mulher não ocorra dentro de três semanas após tomar a pílula do dia seguinte, é possível que ela esteja grávida e é aconselhável que se faça uma consulta ginecológica.

O dispositivo intra-uterino (DIU) também é considerado um contraceptivo emergencial, pois pode ajudar a pílula a prevenir a gravidez se colocado até sete dias depois da relação. O DIU é um método contraceptivo introduzido no útero da mulher por um médico.Entretanto, pode fornecer um controle maior de natalidade, de 1 a 10 anos.

A contracepção de emergência como o DIU pode ser ainda mais eficaz. Porém, ainda são poucas as grávidas que utilizam este tipo de contracepção de emergência.

O DIU pode trazer riscos como infecção pélvica e ferimento uterino. Em longo prazo, o DIU pode causar efeitos como menstruação mais escura e dolorosa.

Sem votos